Dance Fever Marca Spotify

A Importância de uma Marca

Como se dá forma ativa a uma marca – de que se trata esta arte matizada? Exploramos, como com criatividade, habilidade, e estratégia, uma marca pode estabelecer uma identidade que se diferencia da concorrência e que provoca uma ligação com o seu público.

Quando se pensa em transmissão de música, é provável que se pense numa marca em particular – Spotify. Talvez seja um dos seus 420 milhões de utilizadores mensais activos. Quando pensa em Spotify é menos provável, contudo, que pense na arte Pré-Raphaelite.

Pendurado na Dulwich Picture Gallery, Londres, durante a semana de abertura de uma nova exposição chamada “Reframed: The Woman in the Window”, é uma tapeçaria ao estilo do século XIX, encomendada por Spotify. O “painel de tapeçaria” marca o lançamento do novo álbum Dance Fever, Florence & The Machine, levando os visitantes da galeria (e utilizadores de aplicações) a acederem a uma “experiência exclusiva do álbum” utilizando um código QR – permitindo que os fãs fiquem imersos na inspiração e criatividade por detrás do álbum.

A perturbação e a inovação estão no centro da identidade de Spotify – uma identidade que está actualmente estimada em mais de 20 mil milhões de dólares.

Vantagem da marca

Uma marca forte traduz-se na linha de fundo.

Um estudo de percepção global, The FutureBrand Index, mostra uma correlação entre uma marca forte e o desempenho empresarial. Não são necessariamente as empresas com maior força financeira, mas aquelas com força de percepção que têm a vantagem mais competitiva.

É a força de percepção que também pode ver uma marca entrar num sector inteiramente novo e ter os seus consumidores mais leais não só a plena fé e credibilidade, mas possivelmente a pagar um prémio por ela. Por exemplo, em Novembro de 2020, uma linha limitada de Tesla Tequila, a 250 dólares por garrafa, esgotou-se poucas horas após o seu lançamento. Foram necessários apenas dias para que as garrafas únicas, em forma de relâmpago, fossem listadas – vazias – no eBay por milhares de dólares e compradas por entusiastas de Tesla.

Seth Godin diz: “O valor de uma marca é apenas a soma total de quanto as pessoas vão pagar a mais, ou quantas vezes escolhem, as expetativas, memórias, histórias, e relações de uma marca em detrimento das alternativas”.

Interessante, não é a linguagem que Seth usa – não se trata tanto do produto ou serviço USP em si, mas da ligação entre consumidor e marca como uma ligação emocional, a sua USP emocional.

Então, como é que as marcas fomentam uma ligação emocional autêntica com os seus clientes? Como é que as marcas vão além da satisfação e comunicação das expetativas do produto, iniciando e desenvolvendo uma relação mais significativa?

Relevância da marca

Os tempos mudaram. Onde antes as grandes marcas com grandes orçamentos controlavam a mensagem das campanhas de marketing de massas à escala global, agora o consumidor está no controlo. Não só as marcas competem dentro da sua categoria, como também disputam a atenção do consumidor. Para ser cortada em meio ao ruído, uma marca precisa de ser vista como relevante para o indivíduo.

A relevância vem da satisfação dos desejos e necessidades de um cliente – funcionais, sociais ou emocionais. Para saber quais são essas necessidades, é preciso primeiro ouvir e compreender. Ser relevante é entrar na cabeça dos clientes para ser capaz de se ligar aos seus corações e mentes. A compreensão informa a estratégia e a acção onde o posicionamento do produto ou serviço mostra como satisfaz essas necessidades e pode integrar-se perfeitamente na vida dos clientes.

Voltando a Spotify, afirma a sua relevância ao perturbar uma categoria e ao fornecer uma plataforma centrada no cliente que democratizou o acesso à música. Continua a ser relevante, mantendo-se fiel a esse princípio – como centrado no cliente e profundamente ligado ao que os seus clientes desejam. Ao compreender hábitos de audição ou ao sintonizar as tendências culturais e o que interessa aos seus utilizadores, o posicionamento de Spotify está para além de ser um serviço de streaming e mais como criador de conteúdos e como uma marca que valoriza uma contribuição significativa.

Identidade da marca

Uma identidade de marca bem sucedida vai mais fundo do que um design excelente em todos os seus pontos de contacto. Isto é fundamental para o sucesso de uma marca, mas esta é a expressão exterior do ADN da marca. Para desencadear essa ligação emocional, um cliente sente – consciente ou inconscientemente – que a marca se alinha com os seus valores pessoais.

O sucesso de empresas orientadas por objetivos, tais como a Patagonia que defende o consumo consciente ou a bem sucedida campanha One-for-One da TOMS Shoes – onde doou um par de sapatos a uma criança por cada par adquirido – prova o ponto de vista de que os consumidores se sentem bem quando se associam a marcas vistas como estando a fazer o bem. Os consumidores “emprestam” o valor de se preocuparem com uma causa por associação, da mesma forma que alguém usando um Rolex se identificaria com o valor do luxo.

Mas nem todas as marcas são orientadas de propósito, nem deveriam ser. A autenticidade é primordial aqui. Ter um ponto de vista alinhado com os valores centrais da marca é essencial, em vez de saltar para um comboio de bandas.

No início deste ano, a Mars lançou pacotes M&M de edição limitada que apresentavam obras de arte de artistas musicais icónicos – tais como David Bowie e Kacey Musgrave. A interpretação destes álbuns familiares viu as personagens M&M substituírem a imagem dos artistas e destinava-se a enviar uma mensagem de inclusividade. A ideia seguiu-se a um anúncio de Marte de que as personagens M&M estariam a sofrer um ‘rebrand’ de inclusividade para mostrar o seu apelo a todos. A M&M jogou com os seus pontos fortes de criatividade e diversão enquanto comunicava uma mensagem de significado – uma mensagem que pode criar ressonância com os seus consumidores.

m&m Marca

Fora da identificação a nível de causa, as marcas estão a tornar-se criativas na forma como alcançam o seu público. Mesmo marcas globais como a Gucci, Prada, e Nike reconhecem que uma abordagem de tamanho único já não é tão eficaz e tornaram-se muito mais granulares na comunicação. Uma campanha para os londrinos da Nike exibiu a vida real em áreas menos conhecidas da capital, mostrando a sua paixão pelo desporto e o espírito da área. A campanha ‘Nothing Beats a Londoner’ fomentou um sentimento de pertença que realmente está ligado ao seu público – as buscas em Londres aumentaram em 93% após o lançamento do anúncio.

A demonstração de valores que interessam – de uma forma significativa – pode mover uma audiência da indiferença da marca para o amor à marca.

A “magia” da marca

E sobre o tema do amor… as marcas que criam lealistas de morte são aquelas que despertam excitação e paixão no seu público. Quer sejam os pequenos momentos de prazer na nota manuscrita na embalagem, a resposta pessoal a um posto de comunicação social, ou a excitação do lançamento de produtos e inovação (pense na Apple), os vencedores da categoria criam respostas emocionais apaixonadas.

Então, como é que uma marca cria esta “magia”?

O amor por uma marca está na atenção aos detalhes, em exceder as expetativas – em cada ponto de contato – e em criar momentos “uau” de que os clientes não podem deixar de falar. É o que a Porsche Consulting – num livro branco chamado ‘The Secret of Love’ – sugere que pode criar “lealdade para além da razão”.

O amor de marca é também criado através da personalidade. Nuud, uma pastilha elástica sem plástico, sem açúcar e biodegradável, tem uma história de sustentabilidade para gritar, mas fá-lo com personalidade. A sua embalagem grita “mastigar plantas não plásticas” em pinças, azuis e verdes que chamam a atenção – cores que gritam “frescura”. A personalidade de Nuud dá-lhe um corte e desperta uma sensação de diversão – carisma que cria esse elo emocional de toda a importância onde o amor de marca pode crescer.

Então, porque é que isso importa?

As marcas que criam essa “lealdade para além da razão” ganham em reputação, em fãs ardentes que espalham apaixonadamente a palavra, e, em última análise, no fundo do poço.

por Michael Duffy

 

Partilhar nas redes sociais

Política de Privacidade

Âmbito da aplicação

A presente Política de privacidade aplica-se a todo e qualquer tratamento de dados pessoais realizado pela Thinkloud Digital Agency.
Os titulares dos dados pessoais tratados pela Thinkloud a que esta Política se aplica podem ser de clientes, colaboradores, candidatos, fornecedores, prestadores de serviços ou qualquer terceira pessoa com quem a Thinkloud se relacione no âmbito da sua atividade comercial.
As regras e procedimentos referidos nesta política podem ser mais detalhadamente concretizados noutras políticas internas.
Para o esclarecimento de qualquer dúvida sobre a aplicação desta Política de Privacidade, por favor, contacte-nos através do email info@thinkloud.pt Sempre que necessário a Thinkloud alterará esta Política de Privacidade em conformidade com as leis, regulamentos e as boas práticas. Estas alterações serão notificadas a colaboradores, clientes e partes interessadas através de email ou avisos conforme o mais adequado.
Estas alterações deverão ser notificadas pela Thinkloud aos seus colaboradores, titulares de dados e outros destinatários, através dos seguintes meios de comunicação:
– Colaboradores: comunicação via e-mail e afixação no local de trabalho;
– Clientes e Fornecedores e Prestadores de Serviços, enquanto entidades subcontratantes: comunicação via e-mail das alterações à Política de Privacidade com impacto nos serviços prestados ou nas operações de tratamento a que lhes digam respeito, sem prejuízo de eventual necessidade de alteração de documentação contratual ou da realização de outras comunicações com os titulares dos dados pessoais.

Privacidade

A Thinkloud compromete-se com a confidencialidade e proteção dos dados pessoais dos seus Clientes, Colaboradores, Prestadores de Serviços e Fornecedores, nos termos legais e em cumprimento do Regulamento Geral de Dados Pessoais (RGDP).
No âmbito da sua atividade, a Thinkloud poderá, por meios automatizados ou não automatizados, proceder à recolha, registo, organização, estruturação, conservação, adaptação, alteração, recuperação, consulta, utilização, divulgação por transmissão, difusão ou qualquer outra forma de disponibilização, apagamento ou destruição dos dados pessoais dos seus clientes e colaboradores.
A Thinkloud procederá à recolha e tratamento dos dados pessoais para finalidades determinadas, explícitas e legítimas, não podendo ser tratados posteriormente de uma forma incompatível com essas finalidades.
Os dados recolhidos serão apenas os necessários e adequados ao cumprimento das finalidades descritas e serão mantidos apenas enquanto necessários e de forma atualizada.
Os dados pessoais deverão ser conservados durante um período de tempo pré-definido ou definível, tendo em consideração as finalidades do tratamento, devendo ser eliminados ou perfeitamente anonimizados após o decurso do período de conservação.
A Thinkloud utilizará um sistema de revisão e atualização sistemática dos dados pessoais presentes nos seus próprios sistemas, bem como nos de terceiros com quem se relacione enquanto responsável pelo tratamento, co-responsável ou subcontratante.
A Thinkloud obriga-se a utilizar sistemas e procedimentos internos de segurança e protecção dos dados pessoais dos seus Clientes, Colaboradores, Prestadores de Serviços e Fornecedores que garantam a sua integridade e confidencialidade.
A Thinkloud obriga-se a manter um tratamento leal e transparente dos dados pessoais em sua posse.
O tratamento de dados pessoais é regido pela Lei de Proteção de Dados que internamente for aprovada e pelo o Regulamento Geral de Protecção de Dados 2016/679 (o “GDPR”), ou outra legislação aplicável.

Dados Pessoais

A Thinkloud utiliza os dados pessoais fornecidos pelos seus Clientes, Colaboradores, Prestadores de Serviço e Fornecedores de outros titulares de dados com quem se relaciona no âmbito da sua atividade profissional, por forma a cumprir com as suas obrigações contratuais.
Os dados geralmente recolhidos junto dos nossos Clientes são, entre outros possíveis, o nome da pessoa de contacto,, email, contacto telefónico.
Os dados habitualmente recolhidos junto dos nossos Colaboradores são, entre outros possíveis:

1. Dados de identificação: nome, data de nascimento, naturalidade, filiação, sexo, nacionalidade, morada e telefone, habilitações literárias, número de bilhete de identidade, número de contribuinte e número de beneficiário da Segurança Social;
2. Situação familiar: estado civil, nome do cônjuge, filhos ou pessoas a cargo e outras informações susceptíveis de determinar a atribuição de complementos de retribuição;
3. Sobre a atividade profissional: horário e local de trabalho, número de identificação interno, data de admissão, antiguidade, categoria profissional, antiguidade na categoria, nível/escalão salarial, natureza do contrato;
4. Elementos relativos à retribuição: retribuição base, outras prestações certas ou variáveis, subsídios, férias, assiduidade e absentismo, licenças, outros elementos relativos à atribuição de complementos de retribuição, montante ou taxa em relação aos descontos obrigatórios ou facultativos;
5. Outros dados: eventual grau de incapacidade respetivo ou de membro do seu agregado familiar, eventual incapacidade temporária resultante de acidente de trabalho ou de doença profissional, local e forma dos pagamentos a efetuar pela Thinkloud, número de conta bancária e identificação da instituição.
Outros dados podem vir a ser recolhidos junto dos nossos clientes e colaboradores caso necessário e que receberão o tratamento em conformidade com todas as obrigações legais.

Direitos dos titulares dos dados

De acordo com os requisitos legais e regulamentares em matéria de proteção de dados, a Thinkloud garante que os titulares dos dados pessoais podem exercer os seus direitos relativamente à forma como os seus dados pessoais são tratados e conservados.
Para exercer dos seus direitos, os titulares devem contactar a Thinkloud através dos contactos abaixo disponibilizados para o efeito e estes pedidos serão encaminhados de acordo com os requisitos legais.
A Thinkloud poderá, antes de processar o pedido, proceder à prévia verificação da identidade do requerente, sempre que tiver dúvidas sobre a identidade da pessoa que apresentou o pedido.
Os pedidos de exercício de direitos serão respondidos sem demora injustificada e no prazo máximo de um mês a contar da data de receção do pedido. Perante uma elevada complexidade do pedido ou número de pedidos realizados, o período de resposta poderá ser estendido até dois meses. Caso o período de resposta seja prorrogado, a Thinkloud informará o titular dos dados, num prazo máximo de um mês após a data de receção do pedido, dos motivos do atraso na resposta ao pedido.
A Thinkloud procura responder a todos os pedidos, sendo todos os pedidos alvo de análise de forma a verificar se a sua satisfação se encontra em conformidade com os requisitos legais e regulamentares aplicáveis. Sempre que exista um enquadramento legal e/ou regulamentar que impeça o titular dos dados de exercer um direito que tenha invocado, a Thinkloud reserva o direito de não aceder ao pedido. Em tais situações a Thinkloud comunicará ao titular dos dados, num prazo máximo de um mês a contar da data de receção do pedido, os motivos pelos quais o pedido não será satisfeito e a possibilidade de reclamar junto a uma autoridade de controlo e intentar acção judicial.
Quando os pedidos apresentados são manifestamente infundados ou excessivos, a Thinkloud reserva ainda o direito de exigir o pagamento de uma taxa razoável tendo em conta os custos administrativos do fornecimento das informações ou da comunicação, ou de tomada das medidas solicitadas.
Os direitos que podem ser invocados são enunciados nos pontos seguintes tal como se encontram definidos nas normas legais e regulamentares aplicáveis, dando nota das suas principais particularidades. A Thinkloud disponibiliza meios de comunicação preferenciais para os invocar. Os pedidos de invocação de direitos de Colaboradores da Thinkloud, no âmbito da sua relação profissional devem ser colocados via email para mario.figueiredo@thinkloud.pt. Para as situações que não são contempladas nas próximas seções, o titular dos dados poderá invocar o seu direito por um dos canais apresentados na secção de Contactos.

1. O direito de acesso
A qualquer altura, pode entrar em contacto com a Thinkloud para solicitar a confirmação sobre se dados pessoais que lhe digam respeito são ou não objeto de tratamento pela Thinkloud, bem como ser informado sobre os dados pessoais em questão, sobre os motivos justificativos para o tratamento dessa informação, sobre os destinatários a quem os dados pessoais foram ou serão divulgados, sobre as informações disponíveis sobra a origem dos mesmos e, se for possível, sobre o respetivo prazo de conservação. Se o solicitar, pode receber uma cópia dos dados pessoais em fase de tratamento.

2. O direito de corrigir e atualizar os seus dados
O titular dos dados poderá, tendo em conta as finalidades do tratamento, corrigir os seus dados pessoais se estes estiverem incorretos ou incompletos, assim como atualizá-los, sempre que estiverem desatualizados.

3. O direito ao apagamento dos dados («direito a ser esquecido»)
Todo o titular dos dados tem o direito a solicitar o apagamento dos dados pessoais sempre que se verifique, por exemplo, que estes deixaram de ser necessários para a finalidade que motivou a sua recolha ou tratamento, ou quando o titular dos dados retire o seu consentimento, nos casos em que este seja aplicável, desde que não exista outro fundamento jurídico para o referido tratamento, interesses legítimos prevalecentes que justifiquem o tratamento ou o tratamento seja necessário para efeitos de declaração ou defesa de um direito num processo judicial.
A Thinkloud analisará o pedido e, sendo considerado válido à luz das normas legais e regulamentares aplicáveis, confirmará se os dados foram eliminados ou o motivo pelo qual tal não foi possível.

4. O direito à limitação do tratamento dos seus dados
O titular dos dados pode solicitar a limitação do tratamento dos seus dados verificando-se uma das condições legais:

1. Quando o titular dos dados contestar a exatidão dos dados pessoais, caso em que o tratamento deverá ser limitado durante um período que permita à Thinkloud verificar a sua exatidão, ou quando o titular dos dados se tiver oposto ao tratamento, até se verificar que os motivos legítimos do responsável pelo tratamento prevalecem sobre os do titular dos dados;
2. Quando o tratamento for ilícito e o titular dos dados solicitar apenas a limitação da sua utilização;
3. Quando a Thinkloud ou o responsável pelo tratamento por conta do qual a Thinkloud trate os dados já não precisar dos dados pessoais para fins de tratamento, mas esses dados sejam requeridos pelo titular para efeitos de declaração, exercício ou defesa de um direito num processo judicial;

Com exceção da conservação, quando o tratamento tiver sido limitado, os dados pessoais só irão ser objeto de tratamento pela Thinkloud com o consentimento do titular, para efeitos de declaração, exercício ou defesa de um direito num processo judicial de defesa dos direitos de outra pessoa singular ou coletiva, ou por motivos ponderosos de interesse público.
Em caso de anulação da limitação conferida ao tratamento dos dados pessoais, a Thinkloud informará previamente ao titular dos dados.

5. O direito de oposição ao processamento dos seus dados
O titular dos dados pessoais tem o direito de solicitar a qualquer momento que a Thinkloud cesse o tratamento dos seus dados pessoais. Depois de receber o seu pedido, a Thinkloud analisará o pedido e, sendo considerado válido à luz das normas legais e regulamentares aplicáveis, a Thinkloud cessará o tratamento em causa. Não sendo tomada decisão quanto à viabilidade do pedido no prazo máximo de um mês, a Thinkloud suspenderá o tratamento ou os tratamentos em causa, na medida do possível, até que a decisão final seja tomada.

6. Consentimento e revogação de consentimento
Em geral, a Thinkloud trata os dados pessoais dos titulares nos seguintes contextos, tendo em vista as seguintes finalidades e fundamento legais:

7. O direito à portabilidade de dados
O titular dos dados pessoais tem o direito de solicitar que a Thinkloud transfira ou entregue num formato estruturado, de uso corrente e de leitura automática, os dados pessoais do titular sempre que estes estejam na posse da Thinkloud, nos termos legais aplicáveis, e sempre que o tratamento de dados for realizado por meios automatizados e se basear no seu consentimento ou for necessário para execução de um contrato no qual o titular é parte ou para diligências pré-contratuais a pedido do titular dos dados.
A Thinkloud cumprirá o pedido, no que for viável fazê-lo, no prazo de um mês a contar da receção do mesmo.
A Thinkloud deverá recusar pedidos de portabilidade sempre que estes prejudiquem os direitos e as liberdades de terceiros, ou se aplique outra limitação estabelecida em normas legais ou regulamentares aplicáveis.

8. O direito de apresentar reclamação
O titular dos dados pode, caso considere que os seus dados não foram tratados conforme as disposições legais, apresentar uma reclamação junto da autoridade de controlo.

Actualmente, a autoridade com funções de controlo para efeitos de protecção de dados no território português é a Comissão Nacional de Protecção de Dados “CNPD”, a quem poderá colocar quaisquer dúvidas ou apresentar reclamações, caso verifique o incumprimento de normas relativas à protecção de dados pessoais.
A CNPD poderá, à data, ser contactada pela seguinte forma:

Formulário de pedidos de informação/queixas/reclamações:
https://www.cnpd.pt/bin/

Responsabilidade

Por motivos contratuais, a Thinkloud detém alguns dos seus dados pessoais, nomeadamente para a gestão da relação contratual. Isto significa que somos responsáveis perante si pelo tratamento que damos aos mesmos.
Thinkloud tratará todos os dados pessoais de que responsável pelo tratamento com a maior confidencialidade, cumprindo e fazendo cumprir, dentro das suas capacidades e responsabilidade, o seu uso ilícito.
Os trabalhadores da Thinkloud que não cumpram os termos e condições da presente Política de Privacidade, ou de outras normas internas sobre protecção de dados pessoais que procedam à sua concretização, estão sujeitos a instauração de processo disciplinar.

Conservação

Os dados pessoais são conservados em estrito cumprimento das disposições legais ou pelo período indispensável para a satisfação da finalidade que motivaram a sua recolha e tratamento, no decorrer da atividade exercida pela Thinkloud.
Thinkloud cumpre com todas as obrigações legais, também no que diz respeito à conservação e atualização dos dados pessoais. O armazenamento e destruição dos dados são levados a cabo de maneira segura. Os dados recolhidos são os estritamente necessários e protegidos de perda, má utilização, acesso não autorizado ou exposição.

Medidas de segurança

Thinkloud assegura a segurança dos seus dados e o cumprimento de todas as obrigações legais em caso de quebra de segurança.
Para garantir a segurança dos dados pessoais, a Thinkloud tem implementadas um conjunto de medidas e procedimentos técnicos e tecnológicos.
Thinkloud usará uma gama de controlos de segurança de dados, definida de acordo com as necessidades do negócio e nas políticas de segurança, e monitorizará ativamente esses controlos para detetar falhas ou violações, incluindo a revisão das autorizações de acesso a dados pessoais, próprios ou de terceiros, por parte dos titulares dos dados pessoais e dos colaboradores da Thinkloud.

Outros tratamentos de dados

Caso seja necessário o tratamento dos seus dados para um novo propósito, não abrangido por este documento, a Thinkloud enviar-lhe-á uma notificação explicando o motivo e as condições de tratamento.

Transferência de dados internacionais

Thinkloud não irá transferir dados pessoais para fora da União Europeia ou para uma organização internacional, sem que estejam implementadas salvaguardas adequadas para garantir que os dados pessoais sejam mantidos em segurança, tais como Cláusulas-Tipo de Protecção de Dados ou Decisões de Adequação da Comissão Europeia.

Contactos

Queira contactar a Thinkloud a propósito deste Aviso de Privacidade ou dos seus dados pessoais:

Política de Cookies

O que são Cookies?

Uma Cookie é um pequeno ficheiro armazenado no dispositivo do visitante do website com o objectivo de manter alguma informação que permita identificar o tipo de dispositivo ou que seja relevante para adaptar todos os componentes do website.

O website www.thinkloud.pt utiliza Cookies?

Sim, para melhorar a experiência de utilização do website www.thinkloud.digital, mantendo informação do visitante, permitindo determinar as suas preferências, auxiliar no preenchimento de formulários e recolher indicadores de performance, como a origem e horário dos acessos ao website.

Qual é a política de privacidade do website www.thinkloud.digital?

Os dados recolhidos e armazenados em Cookies poderão ser disponibilizados pela Thinkloud a entidades terceiras que demonstrem assegurar níveis de segurança e confidencialidade adequados. A navegação no website é monitorizada apenas para fins estatísticos e para melhorar a experiência de utilização do website pelos utilizadores.

Devo aceitar a utilização de Cookies?

A Thinkloud só irá proceder à utilização de Cookies mediante o consentimento prévio e expresso do visitante. A Thinkloud compromete-se a utilizar o armazenamento de Cookies apenas para as finalidades referidas nos pontos anteriores.

É importante referir que a utilização de Cookies é essencial para o melhor funcionamento do website na sua totalidade, pelo que a sua aceitação é recomendada.

A maioria dos navegadores permite controlo sobre as Cookies armazenadas no seu dispositivo, bem como a sua eliminação imediata, caso o utilizador pretenda deixar de permitir o armazenamento local de Cookies.

Que Cookies são utilizadas no website www.thinkloud.digital?


Cookies Analíticos
Dados
– Comportamento (páginas visitadas, caminho realizado no site,…);
– Público-alvo (geográficos, idioma, género, idade,…);
– Aquisição (dispositivo, como é que o utilizador chegou ao website)
– Conversões (preenchimentos de formulários,…).
Finalidade
Recolher informação e estatísticas, de forma anónima, sobre os utilizadores que visitam o website. Permite entender como os utilizadores interagem com o website e com os vários serviços.

Cookies de Funcionalidade
Dados
Idioma selecionado, nome, email e telefone.
Finalidade
Relembrar funcionalidades definidas pelo utilizador em visitas anteriores ao website.

Cookies de Terceiros
IP;
Dispositivo;
Geografia, idioma;
Páginas visitadas, referências, cliques nas páginas, monitorização dos movimentos do rato no website.
Finalidade
Recolha de informação por parte de plataformas externas como complemento para uma maior eficácia na informação e estatísticas recolhida.digital